Planalto considerou ‘previsível’ a ameaça de rompimento do PR

Por Painel

Psicodrama O Palácio do Planalto considerou “previsível” a ameaça de rompimento da aliança feita por uma ala do PR. A avaliação é que, até junho, haverá “surtos” de infidelidade na base vindos, além do antigo PL, também de PP, PTB e PSD. A ordem é que o presidente do PT, Rui Falcão, e os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Relações Institucionais) monitorem a cúpula das siglas, mas, por ora, aliados de Dilma Rousseff acham que tudo não passa de jogo de cena.

Recado Articuladores do governo viram o movimento da banda do PR ligada a Valdemar Costa Neto pela volta de Lula como uma tentativa de desestabilizar o ministro indicado pelo partido, César Borges (Transportes).

Senões Um aliado de Lula relata que, confrontado com a campanha por seu retorno ao Planalto, o ex-presidente disse que a eleição será difícil, que o desgaste pela troca de candidato seria grande e que ele passaria a campanha se explicando.

Palanque… O governo passou a dar prioridade a uma solução para a crise entre PT, PMDB e Pros na eleição para o governo do Ceará, evitando divisão que prejudique a reeleição de Dilma.

… único Em conversa com Cid e Ciro Gomes na semana passada, a presidente manteve viva a possibilidade de PT e Pros apoiarem Eunício Oliveira (PMDB). Ontem, Mercadante, Berzoini, o vice Michel Temer e Falcão almoçaram em Brasília e colocaram o assunto na mesa, mas não tomaram decisão.

Maratona O time de Eduardo Campos (PSB) reagiu com ceticismo à disparada de Aécio Neves (PSDB) na pesquisa CNT. “É uma corrida de longa distância. Quem crescer por último chega na frente”, diz um pessebista.

Quase lá Pelos cálculos da equipe de Campos, o ex-governador pernambucano tem 16,8% dos votos válidos, perto dos 19,3% que Marina Silva teve na eleição de 2010.

Euforia Já a equipe tucana comemorou que a intenção de voto espontânea em Aécio quase dobrou de fevereiro para cá. Foi de 5,6% para 9,3%. É mais que a de Lula (6,5%) e bem maior que a de Eduardo Campos (3,6%).

Escalação Segundo o esboço do bloco liderado pelo PT no Senado, os titulares indicados pelo grupo para compor a CPI da Petrobras devem ser Humberto Costa (PT-PE), José Pimentel (PT-CE), Aníbal Diniz (PT-AC) e Acir Gurgacz (PDT-RO).

Cortado Pelo princípio da proporcionalidade, o PSB teria direito a uma das vagas desse bloco, como suplente. O nome seria o de Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), mas os petistas ameaçam deixar de fora a sigla, que migrou para a oposição.

Perde-perde Em reunião na noite de anteontem em sua casa, Michel Temer voltou a cobrar fidelidade ao governo do líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha. O vice-presidente ponderou que as investidas de Cunha contra o Palácio do Planalto não lhe renderam frutos.

Caminho livre A Arsesp, agência reguladora de saneamento paulista, aprovou a proposta do governo de São Paulo de implementar uma multa de 30% na conta para quem aumentar o consumo de água. O projeto seguiu para análise da Procuradoria do Estado.

Pedra… Aliado de Geraldo Alckmin (PSDB), Celso Russomanno (PRB), que dirige um instituto de defesa de consumidores, engrossa o coro dos que criticam a proposta e diz que o projeto “não tem amparo na lei”.

… na Geni “O estabelecimento de multa tem de ser por meio de lei, não de regramento. Qualquer jurista vai dizer a mesma coisa”, afirma o ex-deputado.

Visita à Folha O economista Antonio Delfim Netto visitou ontem a Folha, a convite do jornal, onde foi recebido em almoço.

TIROTEIO

Uma CPI só no Senado seria chapa branca. Com a Câmara, será menos branca, mas em um fundo bege é mais fácil encontrar sujeira.
DO DEPUTADO JÚLIO DELGADO (PSB-MG), sobre a possibilidade de instalar uma comissão mista para investigar a Petrobras, com deputados e senadores.

CONTRAPONTO

Imagina na Copa

Ilustração: Alves
Ilustração: Alves

No jantar que promoveu para editores de Esporte, anteontem, Dilma Rousseff estranhou o fato de a maioria estar bebendo somente água.
—Vocês jornalistas não bebem uísque, não? —perguntou a presidente.
Aldo Rebelo atalhou:
—Eles são da geração mais jovem, presidente. Não bebem, não fumam… —disse o ministro do Esporte, ele, sim, fumante inveterado.