Ala do PR quer rever apoio a reeleição de Dilma Rousseff

Por Painel

Rompimento e divisão Parte da cúpula do PR anuncia na tarde de hoje que não pretende apoiar a reeleição de Dilma Rousseff. Dirigentes da sigla, capitaneados pelo líder na Câmara, Bernardo Santana (MG), dizem que a posição foi manifestada por 85% dos delegados do partido em reuniões durante o fim de semana. Outros integrantes do comando do PR, no entanto, discordam da decisão. Eles atribuem o movimento a pressões do ex-deputado Valdemar Costa Neto, preso por envolvimento no mensalão.

Vai indo O ministro do TSE Admar Gonzaga julgou improcedente a ação em que o PSDB acusa a Caixa de beneficiar a candidatura de Dilma em propaganda do Minha Casa, Minha Vida. Na peça exibida na TV, uma beneficiária do programa diz esperar “que eles continuem fazendo o que estão fazendo hoje”.

PAC chinês O Palácio do Planalto deve aproveitar a visita oficial do presidente da China, Xi Jinping, em julho, para anunciar um vultoso pacote de investimentos chineses na construção de portos e ferrovias no Brasil.

Equilíbrio O governo espera que o dinheiro impulsione a infraestrutura brasileira e ajude a amenizar o déficit das contas externas do país. Os detalhes foram acertados na última semana, durante a passagem do chanceler do país asiático por Brasília.

Mandato… Deputados que participaram de viagem oficial à China voltaram à Câmara na semana passada com relógios Rolex nos pulsos. Despertaram inveja em Mendonça Filho (DEM), que ficou no Brasil, ao dizer que os acessórios foram presentes do xeque de Dubai.

… ostentação Mendonça, líder do DEM, chegou a pedir o relógio de Felipe Maia, que o substituiu na viagem. Ele não sabia que era alvo de uma brincadeira dos deputados: o líder do PMDB, Eduardo Cunha, conta que os relógios são cópias, compradas em Pequim por US$ 50 cada.

No solo A 45 dias da Copa, o governo identificou risco de que o atraso nas obras do aeroporto de Cuiabá prejudique a saída de torcedores da cidade. Funcionários já buscam pontos de hospedagem alternativa para turistas que não conseguirem embarcar depois das partidas.

Where? Capitais que sediarão jogos da competição, como Rio e Recife, atrasaram a implantação da sinalização bilíngue nas ruas para o evento. O Ministério do Turismo cobra esse serviço há pelo menos nove meses.

Dois polos Articuladores da chapa Eduardo Campos-Marina Silva (PSB) trabalham para reduzir o impacto de opiniões divergentes manifestadas pela dupla. “Deixamos claro que essa é uma união de pensamentos diferentes. Agora, precisamos mostrar que podemos construir consensos”, diz um aliado.

Conexão A maioria dos 180 haitianos que deixaram o Acre de ônibus nos últimos dias vai para cidades do Sul. Devido à briga com o governo paulista, autoridades acrianas orientam os imigrantes a comprar passagens para outros Estados assim que desembarcarem em São Paulo.

Luvas de pelica Quando a batalha entre os dois Estados começou, o governador do Acre, Tião Viana (PT), orientou seus subordinados a não atacar diretamente o paulista Geraldo Alckmin (PSDB). Depois das críticas feitas por auxiliares do tucano, assessores de Viana ameaçam rever essa posição.

Sinal verde A Justiça extinguiu a ação que questionava a licença ambiental da construção do trecho norte do Rodoanel, em São Paulo. Associações pediam a suspensão da obra, uma das prioridades do governo paulista.

TIROTEIO

“Eduardo Campos chegou atrasado na oposição a José Sarney. Estou desse lado, esperando por ele, há pelo menos 20 anos.”

DO SENADOR RANDOLFE RODRIGUES (PSOL-AP), pré-candidato à Presidência, sobre a declaração de Campos de que Sarney não faria parte de seu governo.

CONTRAPONTO

Transferência forçada

Em maio de 1993, o ministro das Relações Exteriores, Fernando Henrique Cardoso, jantava na casa do embaixador brasileiro em Washington quando recebeu um telefonema do presidente Itamar Franco, que o convidava para assumir o Ministério da Fazenda. FHC recusou:

—Acho que o sr. deve manter o Eliseu Resende.

Itamar assentiu e FHC foi para seu hotel. No dia seguinte, o tucano soube que havia sido nomeado para a pasta. Sem entender, ligou para um auxiliar de Itamar.

—Bom, não sei se o sr. aceitou ou não. O fato é que o sr. é o novo ministro da Fazenda! —disse o assessor.