Grupo anticrise recomenda que Sabesp considere vazão ainda menor que atual

Por Painel

Conta-gotas O grupo anticrise que monitora a situação do sistema Cantareira recomendou que a Sabesp comece a se planejar para operar com vazão ainda menor do que a que está autorizada hoje. Após a primeira vez em que o colegiado técnico sugeriu uma redução na quantidade captada, a estatal passou a buscar água de outros sistemas para evitar rodízio. O grupo também pediu à ANA e ao DAEE, órgãos reguladores, que discutam “possíveis medidas de restrição de usos dos recursos hídricos”.

Contra o relógio Os técnicos anteciparam de meados de julho para o início daquele mês a previsão de esgotamento da água do Cantareira. Até lá o governo espera já usar o volume morto. Participam do comitê, além dos dois órgãos, representantes das bacias e da própria Sabesp.

Forasteira Técnicos dos Transportes Metropolitanos de São Paulo suspeitam que a empresa que pediu ao TCE para suspender a licitação da linha 18-Bronze do Metrô tenha agido para beneficiar outra firma. Chamou a atenção o fato de que ela atua com cursos de informática.

Nem aí A defesa da empresa diz que seu proprietário, Anselmo Vieira, “apenas preza pela administração pública, e o interesse em participar da licitação é irrelevante”. A estratégia de contestar o certame no TCE, e não no Judiciário, foi adotada para que não fosse necessário provar a legitimidade da parte.

Tô fora A Transparência Brasil comunicou ontem à Corregedoria-Geral do governo paulista que vai abandonar o grupo que acompanha as investigações sobre o cartel. Considera que contribuiu com o que podia para evitar a repetição dos conluios.

Toma lá, da cá O PT vai atacar o governo do PSDB em Minas por “uso da máquina pública” pela propaganda em que a Cemig, estatal de energia do Estado, responsabiliza o Planalto pelo reajuste da conta de luz em propagandas veiculadas na TV.

Aprovado Petistas que conversaram com Lula dizem que o ex-presidente ficou satisfeito com a estreia de Ricardo Berzoini na articulação política do Planalto. Comentou que o petista parece imune a bordoadas da base aliada, ao contrário de Ideli Salvatti.

Non grata Para reforçar a defesa de Dilma Rousseff no caso Petrobras, o Palácio do Planalto decidiu apontar que o ex-diretor internacional da estatal Nestor Cerveró tinha autonomia total para conduzir as negociações da compra da refinaria de Pasadena.

Fim da linha O governo entende que as pontes que poderia manter com Cerveró foram rompidas após seu advogado insinuar que Dilma recebeu com antecedência os detalhes do contrato.

Torcida A fala de Graça Foster ontem em audiência no Senado foi baseada na estratégia. O governo ficou satisfeito com seu desempenho.

Nas sombras A oposição quer vincular o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, preso na Operação Lava Jato, ao negócio de Pasadena. Vai tentar relacionar a compra à quadrilha suspeita de desviar recursos da Petrobras, durante depoimento de Cerveró, previsto para hoje.

Alves

Cerco O clima em Brasília ficou pesado no mundo dos negócios com a crise da Petrobras. Ao desembarcar na capital federal, um grande empresário conta que viu agentes da Polícia Federal no aeroporto e pensou: “Será que vieram me prender?!”.

Visita à Folha Leonardo Padura, escritor cubano, e sua mulher, Lucía Lopez, visitaram ontem a Folha. Estavam com Ana Yumi Kajiki, coordenadora de comunicação da Boitempo Editorial.

TIROTEIO

Ao dizer que a oposição tenta destruir a Petrobras, o governo age como o assaltante que bate carteira e grita ‘pega ladrão’.

DO DEPUTADO BRUNO ARAÚJO (PSDB-PE), sobre a declaração de Dilma Rousseff de que “nada nem ninguém vai conseguir destruir a Petrobras”.

CONTRAPONTO

Santo de casa não faz milagre

Na sessão que aprovou o Marco Civil da Internet, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), fez uma gentileza e chamou o relator Alessandro Molon (PT-RJ) para comandar os trabalhos. O deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), conhecido regimentalista, obstou:

—Infelizmente não é possível, sr. presidente. Como relator da matéria ele não pode presidir a sessão.

Flamenguista, Chico Alencar (PSOL-RJ) fez piada:

—Bem que o deputado podia ter usado seu notório saber jurídico para evitar que a sua Portuguesa fosse jogada para a segunda divisão no tapetão!