Mentira de Vargas no plenário deve embasar pedido de cassação

Por Painel

Roteiro adaptado No Conselho de Ética da Câmara, a perspectiva é que o pedido de cassação de André Vargas (PT-PR) seja baseado no fato de o petista ter mentido no plenário sobre sua relação com o doleiro Alberto Youssef, o que caracterizaria quebra de decoro parlamentar. Vargas disse na tribuna da Casa que mantinha contatos superficiais com o doleiro, o que teria sido desmentido pelas mensagens interceptadas pela Polícia Federal, como estão convencidos membros do colegiado que vai julgá-lo.

Via rápida A mentira, segundo membros da comissão, é mais objetiva que a aposta de provar tráfico de influência pelo uso de um jatinho de Youssef por Vargas.

Retranca Senadores do PSDB já admitem reservadamente que devem abandonar a CPI caso prevaleça a investigação ampla, que inclua, além da Petrobras, o cartel do metrô de São Paulo e o porto de Suape (PE). A desculpa será carimbar como “farsa” a manobra governista.

W.O. O PT projeta, nesse cenário, desistir da comissão. O partido aproveitaria para tripudiar sobre os tucanos, acusando-os de fugir da investigação de temas que comprometem o partido.

Mãozinha Tucanos ficaram incomodados anteontem com o corpo-a-corpo feito pelo governador Marconi Perillo (PSDB-GO) no Senado pela indicação de Gim Argello (PTB-DF) ao Tribunal de Contas da União, antes de o petebista desistir da postulação.

Dedaço A nova indicação para o TCU dependerá de negociação com Renan Calheiros (PMDB-AL). O nome de Argello, que sofreu bombardeio, tinha sido avalizado pelo presidente do Senado.

Bomba O Planalto considerou traição a decisão de Henrique Alves (PMDB-RN) de incluir na pauta da Câmara o projeto que cria o piso salarial para agentes de saúde. Para evitar a aprovação do texto, o governo quer estender o trancamento das votações o máximo possível.

Sinal limpo O governo estima que as empresas de telefonia que arrematarem a segunda fase do leilão do 4G vão investir R$ 4 bilhões na instalação de filtros, antenas e outros itens de infraestrutura para evitar interferências.

Sotaque… O evento em que será anunciada a chapa presidencial Eduardo Campos-Marina Silva, na segunda-feira, terá ares culturais. Marcos Palmeira, ator que apoia a dupla, gravou um vídeo para ser exibido no ato.

… marineiro Também haverá apresentações do pianista Arthur Moreira Lima, e do poeta pernambucano Antônio Marinho, que declamou em versos as diretrizes programáticas da chapa no último encontro em Brasília.

Biotônico Em fase de tentativa de reabilitação de Fernando Henrique Cardoso, o PSDB comemorou levantamento do instituto Paraná Pesquisas nos três Estados do Sul que mostra o ex-presidente tucano em pé de igualdade com Lula como cabo eleitoral na região.

Veteranos Segundo a pesquisa, o apoio de FHC a Aécio Neves aumentaria em 33,5% a vontade de votar no tucano no Paraná, em 37,9% em Santa Catarina e em 29,4% no Rio Grande do Sul. Já o suporte de Lula a Dilma Rousseff poderia levar a votar nela 30,9% dos paranaenses, 36,8% dos catarinenses e 31% dos gaúchos.

Jean Galvão

Liquidação O governo paulista tentará vender pela quarta vez, em maio, o helicóptero que era usado por Geraldo Alckmin, promessa feita após os protestos de junho. O Palácio dos Bandeirantes reduziu em cerca de R$ 400 mil o preço pedido quando não houve interessados.

TIROTEIO

“Quem vai à Justiça com medo de investigação é o PT, não vamos recorrer a esse expediente. As concessões são aprovadas pelos paulistas.”

DO DEPUTADO ESTADUAL JOÃO CARAMEZ (PSDB-SP), presidente da comissão de Transportes, sobre a CPI do Pedágio em SP e a da Petrobras no Congresso.

CONTRAPONTO

Avesso do avesso

Falando ontem a uma rádio do interior paulista, o candidato do PMDB ao governo, Paulo Skaf, contou como tomou a decisão de ingressar na política.

Já com a ideia na cabeça, disse ter encontrado uma senhora que elogiou seu trabalho em um restaurante. Ela disse que o admirava e sentou-se a outra mesa.

Quando ia embora, abordou novamente o peemedebista, que pensou que a mulher iria encorajá-lo a tentar a vida nas urnas. Olhando assertivamente para Skaf, no entanto, a senhora decretou:

—E tem mais uma coisa. Não se meta com política!