Com criação de comissão, governo tentará ‘reeditar’ CPI do Cachoeira

Por Painel

Recordar é viver Diante da iminência da criação da comissão para investigar a Petrobras, o governo trabalha em uma operação de contenção de danos para transformá-la numa espécie de reedição da CPI do Cachoeira, concluída sem danos irreversíveis ao Planalto. Um dos passos é assegurar que o grupo seja misto, o que garante número maior de aliados. Com a investigação nas duas Casas, o PMDB do Senado, mais governista, ficaria com a presidência e o PT da Câmara teria a relatoria.

Fast track O governo também tentará antecipar a ida de Graça Foster e do ministro Edison Lobão (Minas e Energia) ao Congresso como forma de dar uma saída para os senadores que ainda quiserem recuar do aval à CPI.

A conferir Antes de Clésio Andrade (PMDB-MG) firmar seu apoio à criação da comissão, Aécio Neves (PSDB-MG) questionou se ele aceitaria retirar a assinatura se o governo pedisse. O peemedebista assegurou que não.

Às falas Aloizio Mercadante (Casa Civil) deve convocar Gilberto Kassab para que o presidente do PSD convença Sérgio Petecão (AC) a recuar no apoio dado à CPI.

No escuro Até as 19h de ontem o Planalto ainda não havia recebido dos líderes no Senado um informe claro, com os números corretos, de que a oposição estava prestes a conseguir as assinaturas para criar a comissão.

Dá nisso De um aliado de Dilma Rousseff sobre a sucessão de episódios que levaram a Petrobras ao centro de uma crise política: “Isso é fruto do voluntarismo de quem vive só e não ouve ninguém”.

Por cima A bancada do PSB no Senado rachou sobre a CPI porque Eduardo Campos não a consultou para definir a posição da sigla, o que foi visto como “atropelo”.

Filiação Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), que resistiu mas assinou o requerimento, tem como primeiro suplente o petista José Eduardo Dutra, que foi presidente da estatal de 2003 a 2005.

Meme João Capiberibe (PSB-AP), que hesitava em apoiar a apuração, é alvo de uma campanha nas redes sociais para que apoie a investigação:”Assina a CPI, Capi”.

Em família 1 Cid Gomes (Pros) decidirá até o fim de semana se vai se desincompatibilizar do governo do Ceará para que seu irmão, Ciro, possa concorrer ao Senado.

Em família 2 Cid conversará amanhã com o senador Eunício Oliveira (PMDB), pré-candidato ao governo, para tentar retomar uma aliança. Nesse caso, o Pros admite até abrir mão da candidatura ao governo para apoiar o peemedebista ou um petista.

Mãozinha Dilma participará de ato no Rio ao lado de Sérgio Cabral, na semana que vem, antes de sua saída do governo. O Planalto dá apoio velado à estratégia de Cabral de tentar isolar a candidatura do petista Lindbergh Farias.

alves-deputados-rj

Vídeo show Deputados estaduais do Rio farão caravana ao Projac amanhã. Os convites para conhecer os cenários de novelas da TV Globo foram recebidos com empolgação no Palácio Tiradentes.

Valendo O tribunal de Bolonha, na Itália, recebeu no dia 17 o processo de extradição de Henrique Pizzolato, ex-diretor do Banco do Brasil condenado no mensalão.

Visitas à Folha Arthur Chioro, ministro da Saúde, visitou ontem a Folha, onde foi recebido em almoço. Estava com Gabriela Wolthers, assessora de imprensa.

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) visitou ontem a Folha. Estava acompanhado de Paulo Miranda, assessor.

TIROTEIO

“Para nós, mortais, o futuro é incerto. Para os diretores da Petrobras é o passado que revela surpresas. Graça Foster e Dilma que o digam.”

DE ALOYSIO NUNES FERREIRA (SP), líder do PSDB no Senado, sobre Foster ter dito que desconhecia comitê e notícia de que conselho elogiou Nestor Cerveró.

CONTRAPONTO

Pílulas de sabedoria

Em palestra na PUC-RJ, um inspirado Fernando Henrique Cardoso falou sobre temas variados. Relatou que a criação da USP foi obra da elite paulista, para formar um novo grupo dirigente após a derrota de 1932.

—E o único que deu certo fui eu, que não fiquei do lado deles… —brincou o ex-presidente.

Contou que Simone de Beuavoir não deixava Jean-Paul Sartre provar comida brasileira para evitar dor de barriga e que virou professor de história econômica por acaso.

—Eu não sabia nada de economia. Assisti ao curso e me perdi mais ainda…