Apeada da articulação política, Ideli deve ir para Direitos Humanos

Por Vera Magalhães

A presidente Dilma Rousseff resolveu deslocar a atual responsável pela articulação política a do governo, Ideli Salvatti, para a Secretaria de Direitos Humanos, última das pastas que precisava resolver na reforma ministerial.

Dilma resolveu trocar Ideli pelo deputado federal Ricardo Berzoini (PT-SP) atendendo a pressões do PT e do ex-presidente Lula, encampadas também pelo novo titluar da Casa Civil, Aloizio Mercadante.

Ideli ainda não foi comunicada oficialmente da decisão nem aceitou o convite para substituir Maria do Rosário nos Direitos Humanos, mas Berzoini já falava abertamente sobre sua posse na próxima terça-feira a colegas da Câmara na sessão de quarta-feira, como o Painel informou.

A ministra já não tinha nenhuma ascendência sobre a Câmara dos Deputados, Casa que nas últimas semanas assistiu a uma rebelião da base aliada que levou à derrota do governo na criação de uma comissão externa para investigar a Petrobras e à aprovação de sucessivos convites para que ministros tenham de depor em comissões.

Como Ideli teria dificuldade de viabilizar sua candidatura ao Senado por Santa Catarina, uma vez que não detém o controle do diretório do PT de lá, a SDH será uma espécie de prêmio de consolação por sua fidelidade a Dilma.

No início do governo, a ex-senadora era ministra da Pesca, e depois foi promovida à articulação política numa vitória justamente contra o grupo do PT da Câmara que agora conseguiu que ela fosse afastada.